terça-feira, 3 de julho de 2007

O que é homofobia?

Um dos assuntos que mais tem se falado nessa época de paradas gay e manifestações homossexuais é a homofobia. A homofobia é usada não como "medo de homossexuais", como seria entendida ao pé da letra, mas sim como um termo para o excesso de discriminação. Porém, infelizmente, o termo em si é que tem sido usado em excesso, determinando qualquer tipo de discordância como homofóbica. Já existe até um projeto de lei (que foi retirado de votação com o intuito de promover uma discussão mais aprofundada do assunto, por meio dos deputados) que soma ao preconceito de raça ou cor, qualquer preconceito de procedência nacional, gênero, sexo, orientação sexual e identidade do gênero à lista dos comportamentos puníveis por lei.

Ou seja, discordar de um homossexual ou não aceitar o desvio sexual como normal já é homofobia, e daqui a algum tempo, poderá ser punido com multa ou cadeia. Em Campina Grande, na Paraíba, uma associação evangélica distribuiu outdoors pela cidade com a frase "homossexualismo - e fez Deus o homem e a mulher e viu que era bom!", que foi retirado por ordem de uma juíza da cidade, claramente deturpando o direito a liberdade de expressão. Num mundo onde a banalização do pecado e do mal crescem a cada dia, nada mais normal do que uma cena como esta.

Não acreditem, com esse texto, que sou preconceituoso. Apenas não posso e não quero me conformar com o pecado. Todos somos iguais perante Deus, e Ele ama o pecador, mas odeia o pecado. Logo, aquele que mente recebe o mesmo juízo daquele que pratica sexo de forma errada (seja com alguém do mesmo sexo, seja fora do casamento). Não podemos receber como normal um comportamento diferente daquele que Deus nos instituiu, que está fora da vontade Dele.

Mesmo sabendo que este mundo jaz no maligno (1Jo 5.19), é nossa missão não nos conformarmos com este mundo, mas transformá-lo pela renovação de nossas mentes (Rm 12.2). Deus nos abençoe.

Se você quer entender mais sobre o assunto, leia este texto, escrito por Mauro Meister.

24 comentários:

Anônimo disse...

Liberdade de expressão não é desculpa para compactuar com violência. Você se sentiria bem se eu pusesse um outdoor dizendo que os seminaristas são fanáticos a proferir regras para os outros na falta de coragem de buscar sua própria felicidade? Seu deus discriminatório não é o meu. Eu tenho, mesmo que você não queira, direito à vida que eu escolher.

Carlos disse...

Matéria “CASAL(?) GAY

Em razão da falta de verdade nas informações passadas pela imprensa sobre o tema acima citado, deixo aqui as minhas considerações fundamentadas apenas nos princípios do zelo pela veracidade na formação de opinião de nossa sociedade. TODOS os meios de comunicação invariavelmente erram ao afirmar que a união de duas pessoas de mesmo sexo forma um CASAL.
Como Cristão, gostaria de ver matéria referente ao assunto publicada por este órgão informativo. Afinal, temos como evangélicos, a OBRIGAÇÃO de esclarecer o nosso publico sobre ações nefastas desta natureza e que agridem a nossa fé e os nossos princípios cristãos.
Parece que o meu dicionário é diferente dos existentes por aí. Veja só as definições que encontrei:
Casal s.m. usado fidedigna e ortodoxamente (portanto, não colide com os mais nobres e respeitáveis dicionários nacionais [onde ramifica-se a oficial estrutura lingüística de uma nação]) nos significados abaixo:

Par composto de macho e fêmea (homem e mulher) unidos por casamento; o termo atualmente continua restrito a pares heterossexuais (vide dicionários de boa procedência).
Um casal de filhos (de sexo diferente);
Um casal de animais de estimação (de sexo oposto);
Par composto de macho e fêmea;
Derivação: por extensão de sentido:
Duas coisas iguais; par, parelha (Nota: COISAS não significa: PESSOAS)

É abominável ver pessoas tentando justificar o injustificável, legalizar a ilegalidade, dar ar de moralidade a imoralidade, etc...
Criou-se no Brasil um JUIZADO DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE visando dar segurança e proteção aos que figuram como dependentes desta regulamentação. Assim, esperava-se que estes direitos fossem resguardados e RESPEITADOS, no entanto diante das decisões que alguns magistrados estão tomando, vê-se claramente o contrário. As leis que deveriam proteger estão sendo postas de lado quando estes ocupantes de cargos tão importantes decidem por considerar uma união entre duas pessoas do mesmo sexo como natural, legal e moral. Ao afirmarem em seus despachos que uma relação entre dois homens ou duas mulheres formam um CASAL(?) estável, violam todos os princípios de direito e de moralidade que conhecíamos até hoje. Ainda mais, permitem que estas uniões absurdas possam ADOTAR crianças como “filhos” na composição de uma família. Ora, se a lei é para evitar que crianças sejam expostas ao CONSTRANGIMENTO, ao RIDÍCULO e ao VEXAME é incoerente sujeitar estas mesmas crianças a uma união onde o pai é uma mulher e a mãe um homem. É abominável ver decisões jurídicas desta natureza sendo tomadas ferindo frontalmente os direitos de nossas crianças, submetendo-as ao ridículo de terem que comemorarem o “dia dos pais” ou “das mães” sem saber o que é verdadeiramente a figura de um PAI ou MÃE. “Honra o teu PAI e a tua MÃE” - Êxodo 20:12 - diz a Bíblia no enunciado das leis que definem o sucesso de um filho na sua relação familiar e não há duvidas de que o texto trata exclusivamente de uma união estável entre um HOMEM e uma MULHER, entre um MACHO e uma FÊMEA.
No episodio da criação, a narrativa deixa claro que não há espaços para interpretações distorcidas quanto à origem da formação de uma família quando diz “MACHO E FÊMEA OS CRIOU”, isto invalida qualquer decisão seja em que instância jurídica for. Tem mais; “Vós, MULHERES, sujeitai-vos aos vossos MARIDOS...” Efésios 5 : 22; “Portanto deixará o HOMEM o seu PAI e a sua MÃE, e se unirá a uma MULHER e serão os dois uma só carne” Efésios 5 : 31. Na arca, Noé foi ordenado por Deus a colocar na arca um casal – MACHO e FÊMEA – de cada espécie como garantia de reprodução após o dilúvio. O próprio Jesus teve José - homem - como PAI e Maria – mulher - como MÂE. Não há duvida alguma sobre a originalidade, a legalidade e a moralidade da formação familiar estabelecida desde os primórdios dos tempos, o que há é uma vontade exacerbada de dar um ar de legalidade a distorções e desvios de comportamento sem levar em consideração o que na verdade é e nunca deixará de ser, que um casal só se forma pela união de seres de sexos OPOSTOS.
Voltando às leis que visam dar proteção às crianças e aos jovens. É inconcebível que uma criança tenha que se sujeitar ao RIDÍCULO de ter como PAIS dois homens ou duas mulheres sem que tenham condições de expressarem com opiniões formadas sobre o que pensam da situação em que estão sendo envolvidas. Levar uma criança ao constrangimento ou expô-la ao ridículo é CRIME previsto em lei e isto não está sendo considerado nem mesmo sendo levado em conta pelos magistrados. O negócio é atender a anseios mal resolvidos á revelia da lei que eles mesmos criaram para dar proteção aos que dela dependem sem poder emitir qualquer juízo de valor ou de opção. Crianças são OBRIGADAS a aceitarem e a conviverem com a tal paternidade quando na verdade deveriam ser tratadas com o maior respeito e dignidade pelos responsáveis em aplicar e gerenciar as leis em nosso Brasil. OBRIGADAS sim, pois como imaginar que um bebe ou uma criança de dois, três, quatro anos possam emitir juízo de valor numa decisão ARBITRÁRIA como esta. Arbitrária, pois elas só se darão por conta destes absurdos quando já tiverem idade adulta e aí os estragos já estarão consumados e serão irreparáveis.
Decide-se num tribunal entre magistrados, advogados, réus interessados, mas a parte mais IMPORTANTE – a criança- não é ouvida, sendo submetida a decisões que afrontam os princípios da formação familiar genuinamente estabelecida por DEUS.
Há outras alternativas saudáveis que podem resolver a contento os problemas de crianças abandonadas, e isto passa pelo rompimento com a legalização da imoralidade e dos devaneios de pessoas desequilibradas e doentes nas suas emoções.
Estamos caminhando rumo a um abismo moral perigoso que coloca em xeque a instituição maior de nossa sociedade, a FAMÍLIA. O preço pago já é muito alto pelas distorções e pelas decisões equivocadas de nossos tribunais e se algo não for feito com urgência, nos veremos num caminho sem volta restando-nos apenas assistirmos melancolicamente ao fim do maior pilar de sustentação da humanidade, a família.
Precisamos reagir enquanto há tempo para isto, do contrário seremos culpados pelos insucessos de nossas relações nos lares, na sociedade ou onde quer que haja a presença do homem como produto da preocupação de Deus em cuidar do mundo que Ele mesmo criou.
"...e não vos conformeis com este mundo, mas... “ Romanos 12 : 2

Grato.

EU SOU CONTRA A PL122/06

Carlos Roberto Martins de Souza

Anônimo disse...

Matéria “CASAL(?) GAY


Em razão da falta de verdade nas informações passadas pela imprensa sobre o tema acima citado, deixo aqui as minhas considerações fundamentadas apenas nos princípios do zelo pela veracidade na formação de opinião de nossa sociedade. TODOS os meios de comunicação invariavelmente erram ao afirmar que a união de duas pessoas de mesmo sexo forma um CASAL.
Como Cristão, gostaria de ver matéria referente ao assunto publicada por este órgão informativo. Afinal, temos como evangélicos, a OBRIGAÇÃO de esclarecer o nosso publico sobre ações nefastas desta natureza e que agridem a nossa fé e os nossos princípios cristãos.
Parece que o meu dicionário é diferente dos existentes por aí. Veja só as definições que encontrei:
Casal s.m. usado fidedigna e ortodoxamente (portanto, não colide com os mais nobres e respeitáveis dicionários nacionais [onde ramifica-se a oficial estrutura lingüística de uma nação]) nos significados abaixo:

Par composto de macho e fêmea (homem e mulher) unidos por casamento; o termo atualmente continua restrito a pares heterossexuais (vide dicionários de boa procedência).
Um casal de filhos (de sexo diferente);
Um casal de animais de estimação (de sexo oposto);
Par composto de macho e fêmea;
Derivação: por extensão de sentido:
Duas coisas iguais; par, parelha (Nota: COISAS não significa: PESSOAS)

É abominável ver pessoas tentando justificar o injustificável, legalizar a ilegalidade, dar ar de moralidade a imoralidade, etc...
Criou-se no Brasil um JUIZADO DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE visando dar segurança e proteção aos que figuram como dependentes desta regulamentação. Assim, esperava-se que estes direitos fossem resguardados e RESPEITADOS, no entanto diante das decisões que alguns magistrados estão tomando, vê-se claramente o contrário. As leis que deveriam proteger estão sendo postas de lado quando estes ocupantes de cargos tão importantes decidem por considerar uma união entre duas pessoas do mesmo sexo como natural, legal e moral. Ao afirmarem em seus despachos que uma relação entre dois homens ou duas mulheres formam um CASAL(?) estável, violam todos os princípios de direito e de moralidade que conhecíamos até hoje. Ainda mais, permitem que estas uniões absurdas possam ADOTAR crianças como “filhos” na composição de uma família. Ora, se a lei é para evitar que crianças sejam expostas ao CONSTRANGIMENTO, ao RIDÍCULO e ao VEXAME é incoerente sujeitar estas mesmas crianças a uma união onde o pai é uma mulher e a mãe um homem. É abominável ver decisões jurídicas desta natureza sendo tomadas ferindo frontalmente os direitos de nossas crianças, submetendo-as ao ridículo de terem que comemorarem o “dia dos pais” ou “das mães” sem saber o que é verdadeiramente a figura de um PAI ou MÃE. “Honra o teu PAI e a tua MÃE” - Êxodo 20:12 - diz a Bíblia no enunciado das leis que definem o sucesso de um filho na sua relação familiar e não há duvidas de que o texto trata exclusivamente de uma união estável entre um HOMEM e uma MULHER, entre um MACHO e uma FÊMEA.
No episodio da criação, a narrativa deixa claro que não há espaços para interpretações distorcidas quanto à origem da formação de uma família quando diz “MACHO E FÊMEA OS CRIOU”, isto invalida qualquer decisão seja em que instância jurídica for. Tem mais; “Vós, MULHERES, sujeitai-vos aos vossos MARIDOS...” Efésios 5 : 22; “Portanto deixará o HOMEM o seu PAI e a sua MÃE, e se unirá a uma MULHER e serão os dois uma só carne” Efésios 5 : 31. Na arca, Noé foi ordenado por Deus a colocar na arca um casal – MACHO e FÊMEA – de cada espécie como garantia de reprodução após o dilúvio. O próprio Jesus teve José - homem - como PAI e Maria – mulher - como MÂE. Não há duvida alguma sobre a originalidade, a legalidade e a moralidade da formação familiar estabelecida desde os primórdios dos tempos, o que há é uma vontade exacerbada de dar um ar de legalidade a distorções e desvios de comportamento sem levar em consideração o que na verdade é e nunca deixará de ser, que um casal só se forma pela união de seres de sexos OPOSTOS.
Voltando às leis que visam dar proteção às crianças e aos jovens. É inconcebível que uma criança tenha que se sujeitar ao RIDÍCULO de ter como PAIS dois homens ou duas mulheres sem que tenham condições de expressarem com opiniões formadas sobre o que pensam da situação em que estão sendo envolvidas. Levar uma criança ao constrangimento ou expô-la ao ridículo é CRIME previsto em lei e isto não está sendo considerado nem mesmo sendo levado em conta pelos magistrados. O negócio é atender a anseios mal resolvidos á revelia da lei que eles mesmos criaram para dar proteção aos que dela dependem sem poder emitir qualquer juízo de valor ou de opção. Crianças são OBRIGADAS a aceitarem e a conviverem com a tal paternidade quando na verdade deveriam ser tratadas com o maior respeito e dignidade pelos responsáveis em aplicar e gerenciar as leis em nosso Brasil. OBRIGADAS sim, pois como imaginar que um bebe ou uma criança de dois, três, quatro anos possam emitir juízo de valor numa decisão ARBITRÁRIA como esta. Arbitrária, pois elas só se darão por conta destes absurdos quando já tiverem idade adulta e aí os estragos já estarão consumados e serão irreparáveis.
Decide-se num tribunal entre magistrados, advogados, réus interessados, mas a parte mais IMPORTANTE – a criança- não é ouvida, sendo submetida a decisões que afrontam os princípios da formação familiar genuinamente estabelecida por DEUS.
Há outras alternativas saudáveis que podem resolver a contento os problemas de crianças abandonadas, e isto passa pelo rompimento com a legalização da imoralidade e dos devaneios de pessoas desequilibradas e doentes nas suas emoções.
Estamos caminhando rumo a um abismo moral perigoso que coloca em xeque a instituição maior de nossa sociedade, a FAMÍLIA. O preço pago já é muito alto pelas distorções e pelas decisões equivocadas de nossos tribunais e se algo não for feito com urgência, nos veremos num caminho sem volta restando-nos apenas assistirmos melancolicamente ao fim do maior pilar de sustentação da humanidade, a família.
Precisamos reagir enquanto há tempo para isto, do contrário seremos culpados pelos insucessos de nossas relações nos lares, na sociedade ou onde quer que haja a presença do homem como produto da preocupação de Deus em cuidar do mundo que Ele mesmo criou.
"...e não vos conformeis com este mundo, mas... “ Romanos 12 : 2

Grato.

EU SOU CONTRA A PL122/06

Carlos Roberto Martins de Souza

Anônimo disse...

Casal[gay]Eu acho que kda um tem livre arbitro de ir e vir assim como ter a sua própria orientação sexual,não kabe a ninguém julga-los,eu sou gay e pretendo me casar com uma pessoa do msm sexo,quer a sociedade aceite ou não,isso ñ diz respeito a sociedade querer interferir,e ñ concordo com esse rapas ai"CARLOS ROBERTO MARTINS DE SOUZA",todo sabemos que Deus criou o homem e a mulher,mas se é desse jeito que seremos felizes quem poderá impedir,ñ vejo mal algum e duas pessoas do msm sexo se amarem como um casal comum,somos seres humanos do msm jeito de todos vcs,temos que começar a pensar de outra forma pq o mundo hj em dia,está assim..Eu sou a favor da união entre homossexuais,ñ vejo mal algum nisso,nós temos direito de escolher por nós msm...Fico grato....Que isso sirva de lição pra muitos que criticam a homossexualidade....

Anônimo disse...

Evangélicos! Essa religião deveria ser punida, pois prega a exclusão, a separação e ainda usa o nome de Deus! Eu nasci num lar evangélico, fui batizado, fiz Encontros, mas percebi que vivia num antro de hipocrisia, de gente que
se juga como os únicos filhos de Deus, que enxergam a idolatria nas outras religiões, mas não enxergam esse estoicísmo que fazem com os homossexuais. Não são solidários e nem se importam que a cada dois dias um homossexual morra vítima da homofobia. Não compreendem que DEUS NOS FEZ HOMOSSEXUAIS, e assim seremos e viveremos, sem interferir na reprodução humana.
A igreja só contribue para a promiscuidade, para um mundo de drogas, suicidios e AIDS. Que Deus abra os olhos dessa Nação e os faz compreender que HOMOFOBIA É CRIME!

Anônimo disse...

A vc anônimo que se diz ser evangélico.Conhecedor da palavra, ninguem esta discrminando os estas pessoas, A Biblia não discrimina ningem, o que ela faz é falar a verdade, "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará."João 8:32.
O que vc esta preceisando é conhecer a verdade mesmo. Porque Deus ama todas as pessoa, Ele ama o pecador mas não ama o pecado. Se vc mesmo se ser evagélico.

Anônimo disse...

Só arrumando as minhas palavras, direcionado ao tal evangélico, que foi batizado. Se vc mesmo diz ser evangélico. Fale com Deus e Ele mostrara toda a verdade a vc.

João Goulart disse...

Deus deu a vida pra cada um cuidar da sua!

É muito facil julgar uma pessoa e dizer que ela esta pecando quando não se pode sentir oque ela sente.
Nossa, é engraçado ver que quando um casal gay (casal sim)adota uma criança as pessoas ficam aterrorizadas...mas um casal hetero sexual pode jogar sua filha de cima de um prédio que logo a sociedade aceita simplismente pq é um casal HETEROSEXUAL...

Ahh meus queridos...vcs deveriam saber que ninguem dorme sendo hetero e acorda sedo gay...e as pessoas (pelo menos eu) costumam se apaixonar pelo interior de uma pessoa e não pelo sexo...

Mas o mundo nunca vai mudar...pq algumas pessoas jamais enchergaram alem do que os olhos podem ver...

Thiago Dancona disse...

PS adiantado: não estou discutindo homofobia, e nem defendendo-a... estou discutindo lógica da argumentação.

“João Goulart disse: [...] Ahh meus queridos...vcs deveriam saber que ninguem dorme sendo hetero e acorda sedo gay...e as pessoas (pelo menos eu) costumam se apaixonar pelo interior de uma pessoa e não pelo sexo...”

OK! Vamos lá!

PRIMEIRO ARGUMENTO DELE: “ninguem dorme sendo hetero e acorda sedo gay”.

Ou seja, o que o Sr. João Goulart PRETENDEU dizer, porém NÃO DISSE, é que “gay nasce gay”; que isso não se trata de uma opção sexual, mas de uma orientação sexual, contra a qual é impossível lutar. E mais, ele introduz o pensamento dizendo que, isso é tão óbvio (mas tão óbvio, mas tão óbvio), que nós já deveríamos saber disso... “oras”.

Pois bem, esse tipo de argumentação leva em conta a seguinte analogia:

se você, um heterossexual, acha nojenta a mera idéia de se envolver numa transa homossexual; igualmente eu, um homossexual, tenho asco de me imaginar com uma pessoa do sexo oposto.

Enfim, toda essa linha de raciocínio é profundamente determinista. “Eu sou assim, porque Deus me fez assim... pronto, e acabou!” Nesse caso, tentar mudar isso seria ir contra a natureza do indivíduo, uma violência descabida.

OK. Ocorre que o autor da pérola acima, depois de lançar o fundamento de sua argumentação pró-gay, com base no determinismo, derruba tudo com outra argumentação, inversa à primeira. Veja lá!

SEGUNDO ARGUMENTO DELE: “as pessoas (pelo menos eu) costumam se apaixonar pelo interior de uma pessoa e não pelo sexo...”.

Ou seja, ele defende que esse “apaixonar-se pelo interior de uma pessoa” é o ponto de partida para um relacionamento amoroso e sexual. Não necessariamente, numa ordem cronológica, mas numa ordem de causa e efeito.

Assim, é como se primeiro eu me sentisse atraído pelo coração de alguém, reconheço grandes virtudes nessa pessoa, reconheço tantas qualidades, que me sinto apaixonado por ela. Daí, conseqüentemente, nasceria uma atração sexual. Paixão e amor aqui se dirigem ao caráter.

Veja que, até esse ponto, nada foi considerado sobre o gênero de ninguém. Não importa se nem a primeira nem a segunda pessoa são dois homens, duas mulheres ou um de cada. Isso tudo é irrelevante, visto que nos apaixonamos é pelo interior das pessoas. Uma vez que é assim que se dá, reconhecemos sua grande fibra moral, e tantas características emotivas, relacionais, intelectuais, etc., etc., etc. Aí, sim, e por isso, essa atração evolui do campo emotivo-intelectual para uma atração sexual.

(continua abaixo)

Thiago Dancona disse...

(continuação da de cima)

MINHA PRIMEIRA REFUTAÇÃO: Simples: ou é uma coisa, ou é a outra (ou como vou demonstrar: nenhuma delas).

Se é determinismo genético, então ainda que eu ame muito uma pessoa, a questão do gênero será um empecilho, sim. Se nasci gay, transar com o sexo oposto seria uma insanidade total, seria me forçar a fazer algo contra minha natureza. Por outro lado, se sou livre para ser feliz amando quem eu quiser (independentemente do gênero) então não há determinismo (pronto e acabou! rs).

A incoerência do Sr. João Goulart é tão grande que somos conduzidos a descartar sua argumentação (se é que podemos chamar isso de argumentação... é complicado). Ele é confuso, não tem lógica e é desprovido de persuasão. Então, Sr. João Goulart, faça-nos um grande favor: cale-se!

MINHA SEGUNDA REFUTAÇÃO: A primeira argumentação dele (gay nasce gay) cai diante da seguinte contra-argumentação: PROVE!

É isso mesmo. É o senhor quem precisa provar! Eu não tenho tempo pra ler bobagens nascidas do imaginário popular, eu quero ciência. Mostre-me um (só um... pelo menos um) artigo científico, publicado numa revista científica, que discuta cientificamente, com seriedade, a posição determinista desse tal “gene gay”. Mostrem-me uma publicação científica (de peso equivalente à Revista Science) que ofereça embasamento para esse energúmeno se achar no direito de escrever: “Ahh meus queridos...vcs deveriam saber...”

Esse #%!&#$@# acha que porque eles ficam repetindo isso incansavelmente como papagaios, então eu vou aceitar uma hipótese (ultra conveniente) como algo comprovado e que eu já deveria saber! Não resta dúvida: Sr. João Goulart, você é mesmo um animal! Faça-nos um favor: cale-se!

MINHA TERCEIRA REFUTAÇÃO: A segunda argumentação dele (apaixona-se pelo interior e não pelo sexo) cai diante da seguinte contra-argumentação:

O que o Sr. João Goulart defende é uma tremenda mistura entre “amor” e “sexo”. Entenda bem: é claro que eu acredito que sexo tem que ter amor (não sei é se ele acredita). Mas também é certo que nem todo amor tem que ter sexo. Para pensarmos mais sobre isso, considere a hipótese abaixo:

Durante toda minha infância convivi com uma menina incrível, ela era minha melhor amiga. Ela era um pouquinho mais nova, mas... puxa... como eu gostava dessa menina! Ela morava no mesmo prédio que eu. Admirava-a, via-a todos os dias, tinha uma amizade com ela que não fui capaz de desenvolver com nenhum outro amigo ou amiga. E era recíproco. Nós nos amávamos profundamente, e nos tocávamos com muita liberalidade. Em umas poucas ocasiões em que nossos pais estavam ausentes, até mesmo chegamos a nos ver nus, mas ainda não havíamos percebido qualquer atração sexual na infância, visto que sequer tínhamos hormônios suficientes para isso. Na medida em que crescemos e entramos na puberdade, nosso vínculo cresceu, nosso amor aumentou e, mutuamente, o ciúme tomou conta de nós. Não admitíamos que um de nós pudesse namorar outra pessoa, e quando isso acontecia, um sabotava o outro. Até que... descobrimos que nos amávamos não somente como amigos, mas como homem e mulher. Conversamos francamente sobre isso, e resolvemos que nós já éramos namorados, desde muito cedo, e que na verdade, agora, nosso relacionamento somente se tornou ciente disso. Nos beijamos e gostamos, e passamos a namorar. Com o tempo, transamos e gostamos, e nos casamos... hoje, temos três filhos! ... Só que não contei um detalhe: ela morava não era somente no meu prédio, ela morava no meu apartamento, também... é que ela é minha irmã!

(continua abaixo)

Thiago Dancona disse...

(continuação da de cima)

Você achou ridículo? Eu também! Só que o Sr. João Goulart não acha! Então, agora que você sabe que ela é minha irmã, leia de novo e diga se não tem tudo a ver com o princípio defendido pelo Sr. João Goulart... o que fiz foi criar uma hipótese dentro dessa linha de raciocínio, evidenciando as implicações de se pensar assim:

“as pessoas (pelo menos eu) costumam se apaixonar pelo interior de uma pessoa e não pelo sexo...” (argumentação pró-homossexualismo);

de igual modo, eu poderia dizer: “as pessoas costumam se apaixonar pelo interior de uma pessoa e não pelo grau de parentesco...” (argumentação pró-incesto);

ou ainda: “as pessoas costumam se apaixonar pelo interior de uma pessoa e não pela idade dela...” (argumentação pró-pedofilia);

ou pior: “as pessoas costumam se apaixonar pelo interior de uma pessoa e não pela correspondência dela...” (argumentação pró-estupro).

Resumindo: Minha defesa é que o Sr. João Goulart desconsidera completamente os elementos limitadores dos relacionamentos sexuais. Eles existem, sim. A não ser que você seja a favor de estupro, pedofilia ou incesto, tem de admitir que existem fatores limitadores para o sexo; e heterossexualidade é um deles.

A frase: “as pessoas (pelo menos eu) costumam se apaixonar pelo interior de uma pessoa e não pelo sexo...” é uma das maiores besteiras que eu já li na minha vida.

Pergunto (e eu estou falando sobre lógica acadêmica): Onde está o erro das minhas induções e deduções?

Ainda que o Sr. João Goulart não concorde, ainda que ele pratique a homossexualidade, ainda que ele a defenda, e ainda que ele dê um “piti” e me chame de fundamentalista doente:

O Deus da Bíblia (que, diga-se de passagem, é o único e verdadeiro) condena o homossexualismo... é pecado, sim; e Ele trará grande juízo sobre aqueles que se rebelam contra seus propósitos e sua Palavra.

Portanto, arrependam-se enquanto há tempo...

“Venham, vamos refletir juntos”, diz o Senhor. “Embora os seus pecados sejam vermelhos como escarlate, eles se tornarão brancos como a neve; embora sejam rubros como púrpura, como a lã se tornarão. Se vocês estiverem dispostos a obedecer, comerão os melhores frutos desta terra; mas, se resistirem e se rebelarem, serão devorados pela espada.” Pois o Senhor é quem fala! (Isaías 1.18).

Anônimo disse...

não sei se alguém vai ler o que penso PRA COMEÇAÉ PECADO O HOMOSSEXUALISMO POIS DESTROI O HOMEM POIS NÃO PODEM TER FILHOS COM O MESMO SEXO E O ANUS NÃO É SEXO POIS HOMEM QUE FAZ SEXO ANAL É UMA ABERRAÇÃO CREIO DEVE FICAR MUITO ZANGADO QUANDO VE ESSAS COISA MAS COMO ELE ENVIOU JESUS SÓ ELE PODE LIVRAR O PECADOR DO INFERNO SE O TAL QUISER ,HÁ PESSOAS QUE ACHA DEUS BONZINHO,DEUS NÃO É OTARIO E IDIOTA PRA ACEITAR ESSE PECADO COMO COISA NORNAL ESSES GAYS PODEM VIVER DO JEITO QUE QUISER MAS NÃO PODEM INDUZIR AS PESSOAS ACEITAREM ESSA BESTIALIDADE DEIXO BEM CLARO QUE SOU CONTRA AGRESSAÕ FISICA A HOMOSSEXUAIS SE EU VER SOU O PRIMEIRO A DEFENDE-LO POIS CADA UM VIVE COMO QUER SAIBA QUE O SALARIO DO PECADO É A MORTE E A PROPIA MORTE BUSCARÁ O PECADOR ENTÃO DEIXEM OS MORTOS ENTERRAREM SEUS MORTOS NO DIA DO JULGAMENTO FINAL SERÁ UM DIA TERRIVEL PARA OS CONDENADOS AO INFERNO ESSA MALDITA PL 122 VEIO DO INFERNO SE FOR APROVADA VAI TRANSFORMAR O BRASIL NUMA SODOMA GIGANTESCA E SOU O PRIMEIRO A PEDIR A DEUS QUE MANDE UM GRANDE METEORO SOBRE O BRASIL SE BEM QUE ESTAMOS A PORTA DO ARREBATAMENTO DA IGREJA SÓ OS SANTO VÃO COM DEUS É ASSIM E PONTO FINAL ,JESUS É SANTO E NÃO TOLERA O PECADO

Anônimo disse...

JÁ EXISTE IGREJAS DE GAYS CUJOS LIDERES SÃO HOMOS... DIGO QUE DEUS DEIXA ISSO ACONTECER É PRA PROVAR QUE ELE É DEUS NO DIA DO JUIZO FINAL QUANDO JULGRÁ ESSA GENTE QUE PENSA QUE DEUS ESTÁ ACEITANDO ESSE PECADO ISSO NÃO É IGREJA É TEMPLOS DO DEMONIO CUJO LIDER É SATANAZ QUE FAZ DE TUDO PRA DESTRUIR O HOMEM USANDO O SEXO ANAL PORQUE NAO HÁ REPRODUÇÃO SÓ HÁ MORTE SOU CONTRA AGRESSÃO FISICA E VERBAL A HOMOSSEXUAIS MAS NÃO POSSO IMPEDIR QUE O DIABO OS LEVE A MORTE ETERNA E FISICA VAMOS ORAR QUE DEUS SALVE ESSE PESSOAL

Fernanda disse...

Bom, primeiramente gostaria de dizer que ao ler todos os comentários acima, uma grande tristeza instalou em meu coração, por preceber a falta de amor e respeito para com o próximo!
Vou apenas expressar minha opinião através desse comentário, não peço que todos concordem comigo, mas que todos reflitam em cada palavra que irei escrever, ok?
Sou crente, e amo a Deus sobre todas as coisas e também ao meu próximo, há algum tempo atrás descobri que meu irmão é homossexual, nossa quando descobri isso, foi como se o mundo caísse sobre minha cabeça, sofri muito e chorei muito também, mas quando descobri isso me apeguei ainda mais com o meu Deus, o Deus do impossível, todos os dias questinava Deus porque isso estava contecendo justo comigo, pq meu irmão tinha quer ser homossexual? e o senhor na sua infinita misericóridia foi me ensinando o verdadeiro significado do AMOR!
Queridos, é claro que nós crentes em Deus, que temos a biblia sagrada como nossa única regra de fé e conduta não podemos ser a favor da PL122/06, pois isso vai contra os princípios de Deus, sobre o que ele nos diz pela sua palavra, mas também devemos e temos a obrigação como servos do Deus fiel não maltratar ou discriminar o público homossexual, quer seja por ato ou por palavras, pois nós como seres humanos somos tão pecadores quanto e se não for a misericórdia de Deus ninguém entraria nos céus, eu acredito que devemos amar essas pessoas, amar incondicionalmente, apesar de seus erros e fraquezas, pois Deus ama ao pecador, mas rejeita o pecado!
O que eu quero dizer é que para se achegar a Deus é preciso se abster do pecado, deixar pra trás as vontades da nossa carne, pois eu fico imaginando o quanto Jesus Cristo sofreu por nós naquela cruz, para salvação das nossas almas, se ele sofreu tanto daquela maneira, porque nós não podemos fazer um esforço de se abster dos desejos carnais por ele, por amor a ele, não digo só o homossexualismo, mas também como a fornicação, o adultério, a mentira, o vício...tudo isso queridos nos afasta de Deus, então quem somos nós pra julgar? Tira primeiro o argueiro que está no teu olho para depois tirar a trave que está no olho do teu irmão!
Quando uma pessoa é surpreendida com o AMOR, por palavras e ações, ela mesmo se interessa em conhecer o verdadeiro motivo desse amor, que é Jesus Cristo, ela para e pensa: pq mesmo eu sendo dessa maneira, ainda assim ão me julgam? pq mesmo assim eles preferem me amar? Será queridos, que uma pessoa que é surpreendida com tanto amor gostaria de ficar smepre em pecado? Por isso eu digo todos os dias ao meu irmão, "JESUS TE AMA E EU TAMBÈM", confesso que já pude notar uma grande mudança na vida dele, e que o senhor tem uma obra muito grande pra fazer na minha vida e na dele, eu sempre vou esperar com fé e esperença, que um dia irei ver meu irmão renovado pelo poder de Jesus Cristo!
O que vc está esperando? Jesus te ama e eu também? Se dê a oportunidade de conhecer pelo menos um pouquinho do Senhor, e ai garanto pra você que com Deus nada é impossível!

A PAZ DE DEUS esteja com todos!

Anônimo disse...

Sobre o comentário do Sr Tiago Dancona, o REFUTADOR:
Muito bonito o seu texto, com um monte de palavras rebuscadas e muito embassamento teórico. Só gostaria de REFUTAR uma citação sua:

"Eu não tenho tempo pra ler bobagens nascidas do imaginário popular, eu quero ciência. Mostre-me um (só um... pelo menos um) artigo científico, publicado numa revista científica, que discuta cientificamente, com seriedade, a posição determinista desse tal “gene gay”. Mostrem-me uma publicação científica (de peso equivalente à Revista Science)..."

Essa mesma ciência ainda não acredita, por exemplo, na existência de DEUS, tal como os cristãos acreditam. O que você me diz disso?! Já que precisa tanto de um paradigma para crê em alguma coisa.
Eu não quero levantar polêmica nenhuma, pois sou gay e acredito que amor de Deus por mim, é maior do que o interesse de algumas instituições religiosas, por exemplo, que usam o nome de Deus para comprar redes de televisão, e ao invés de pregar Sua palavra, produzem novelas e Reality Shows, com direito a um monte de baixaria, que vão de contra a tudo o que diz a Bíblia (E eu não vejo evangélico nenhum dando "pití" por causa disso!).
E tem outro detalhe, AQUILO QUE NÃO MEXE COMIGO, NÃO ME INCOMODA. Em outras palavras: POR TRÁS DE ANTIPATIA VIOLENTA, SEMPRE EXISTE UMA AFINIDADE SECRETA.
O Senhor usa uma série de explicações e, um texto tão cheio de agressividade, que esse assunto parece mexer mesmo com o senhor.
Olhe para dentro de si, faça um exame de consciência, perceba os seus sentimentos e acima de tudo respeite o seu próximo.
Afinal aquele ENERGÚMENO,@#¨&@#, ao qual o senhor se refere, também é filho de Deus. Aquele a quem o senhor diz servir, e que jamais se referiria de uma maneira tão pejorativa a um dos seus iguais, pois segundo a BÍBLIA, era Ele através do seu EXEMPLO, que mudava a vida de muita gente.
Espero que você encontre paz no seu coração, afinal quem tem Deus é manso e sereno!

Thiago Dancona disse...

Valeu, Sr(a) Anônimo(a). Finalmente alguma refutação. Gostei. E entenda, se você não quer polemizar, então está no lugar errado... debates, comments de blogs, fóruns existem para isso mesmo: para através da polêmica e da troca de idéias, chegarmos a algum acordo.

É uma pena que você omita sua identidade. Você está em vantagem sobre mim. Sendo anônimo, você pode tirar proveito disso. Você descobre coisas sobre mim, mas não me dá a mesma oportunidade... pode fazer manifestações que certamente não faria, caso eu soubesse sua identidade. Mas, se é assim que você prefere, não há como obrigá-lo... contudo, você continua com essa vantagem, tornando o debate desigual.

Tudo bem... eu sou corajoso... vou contra você com armas desiguais. (essa parte é só bom humor, vc não precisa arrepiar, ok?)

Vamos às suas palavras. Quero começar pelo ataque pessoal, que é o menos importante, para seguir então para o que interessa, a sua argumentação.

Você escreveu: “Muito bonito o seu texto, com um monte de palavras rebuscadas e muito embassamento teórico.”

Por que a ironia? Você fala como se houvesse algo de errado em saber usar as palavras, ou mesmo em ser capaz de exercer o raciocínio. Não entendi. Te ofendo por ser capaz de pensar? Meu argumento te ofende por ter embasamento? Exatamente o que te incomodou?

O que me estranha é a sua crítica quanto ao meu apelo à ciência. Qual o problema? O fato de não existir embasamento científico para a teoria determinista? Ou seria o fato de eu acreditar em Deus? Minha fé te ofende? Ou você tentou dizer que a sua credulidade cega na teoria determinista seja suficiente para a que a sociedade se submeta às suas depravações?

Uma coisa não anula a outra, Sr(a) Anônimo(a)!

Não se trata do que eu acredito, mas da força do argumento do Sr João Goulart. O que eu rebati não foi a legitimidade da homossexualidade, mas o argumento fraco daquele cidadão. Ele poderia continuar defendendo a tese, mas com novos argumentos, porque, creio, eu provei que os ARGUMENTOS eram fracos. Eu não derrubei a teoria determinista, nem foi essa a minha intenção (pelo menos ali, não). O que eu disse o tempo todo é que a teoria é de vocês: então vocês é que devem prová-la.

Qual é a importância disso? Ora, esse é o único argumento que vocês usam para desabilitar a discussão moral do tema. Então, provem.

Isto é, você poderia ter me escrito, insistindo nas teorias levantadas por ele, mas com novas argumentações substitutivas. O que você não fez! Por que? Seria porque você não as têm? Seria porque você não concorda com o sujeito? Ou seria porque você concorda, mas, igualmente, não dá conta de defendê-las com seriedade?

Como eu escrevi “estou discutindo lógica da argumentação”. Se podemos ironicamente classificar alguma coisa como bonita contrapondo à falta de verdade, é o texto dele... não o meu.

Se meu argumento é fraco, bata no meu argumento, não em mim. Eu escrevi:

“Pergunto (e eu estou falando sobre lógica acadêmica): Onde está o erro das minhas induções e deduções?”

Não estou dizendo que minha argumentação é irrefutável, estou propondo o debate, estou desafiando, e estou esperando algo equiparável. Mas o que vc fez foram ataques pessoais.

Quando eu, deselegantemente, chamei o cidadão de ENERGÚMENO e de “@#¨&@#”, foi motivado pela inabilidade do sujeito em propor idéias. Fiquei irritado, sim. Fiquei irritado pelo que esse homem representa: as pessoas que não pensam, mas pretensiosamente manifestam orgulhosos sua falta de inteligência. E não há problemas em não ser inteligente. Há problemas em se orgulhar disso.

Eu não sou inteligente, mas me esforço ao máximo para me corrigir e tento amadurecer através da troca de idéias. O que o Sr João Goulart fez foi o inverso. E isso me irritou, sim.

Eu sei que você imaginou que minha irritação é contra homossexuais, e que eu o tenha desqualificado por esse motivo. Mas você está errado(a). O tempo todo, meu comentário se dirige à fraqueza do argumento dele.

[continua abaixo]

Thiago Dancona disse...

[continuação do de cima]

Se, em algum momento, eu perdi o foco, e agredi o sujeito, não o nego: fiz. E errei. E tenho hombridade para admitir isso. De fato, Sr(a) Anônimo(a), eu não deveria ter me irritado, eu deveria ter sido mais paciente, e deveria ter me apegado mais aos ensinamentos do meu Senhor (Senhor, que, pareceu-me não ser seu... me corrija se eu estiver errado).

Sim, eu sou pecador, sei disso, sou confrontado com isso diariamente... mas não por você... e sim pela Palavra de Deus e o testemunho interno do Espírito de Cristo. Se você está certo, se o Espírito de Deus te usou para me alertar, em nada isso me surpreende, e nem te qualifica, a admoestação do Espírito do Senhor me foi eficiente, cresci, e acredito que não mais cometerei este erro.

E, além disso, minha consciência de pecado está apurada o suficiente para saber que nem esse crescimento a que me referi, e nem qualquer outro bem que eu pratique, seriam capazes de me dignificar diante de Deus. Porque eu sou pecador.

Reconheci meu erro, e busquei o gracioso perdão do meu Senhor. E, segundo a majestosa Revelação do Criador (que é pura e verdadeira), eu posso e devo manter firme minha esperança na misericórdia de Deus e confiar na efetividade desse perdão.

Em outras palavras, se a Bíblia diz que Deus perdoa o pecador penitente, eu não posso desacreditar... isso seria outro pecado. Eu recebo a Palavra de Deus, e a ela me submeto. Portanto, crer na realidade do poder regenerador e santificador do perdão de Deus é o meu dever cristão.

Assim: creio; recebo; sou perdoado; e é óbvio, sou profundamente grato por isso ao meu Senhor; e espero que ele me ajude a melhorar.

Como eu disse: em nenhum momento, isso me confere algum mérito para a salvação, porque o mérito é de Cristo, que viveu com perfeição e morreu pelo meu pecado. Pecado de que você acusou, mas cuja absolvição depende tão-somente do sangue purificador de Jesus Cristo, no qual me apego para minha humilhação e restauração.

Contudo, quanto a você não posso dizer o mesmo. Porque, se você o chama de senhor meu, isso me leva a concluir que não seja teu.

Veja o que vc escreveu:

“Essa mesma ciência ainda não acredita, por exemplo, na existência de DEUS, tal como os cristãos acreditam. O que você me diz disso?! Já que precisa tanto de um paradigma para crê em alguma coisa.“

Insisto: Minha fé não depende de paradigma. O que você está tentando combater é o meu desafio irrefutável. Foi o Sr Goulart quem pretendeu defender que é absurdo uma sociedade tão evoluída discutir a moralidade da questão homossexual, uma vez que... deixe-me usar as palavras deles: “Ahh meus queridos...vcs deveriam saber que ninguém dorme sendo hetero e acorda sedo gay”

Você é capaz de ouvir o tom de voz ridicularizador imposto nas palavras dele? “Ahh meus queridos...” Puxa, ele tem pena de mim...

Sr(a) Anônimo(a), se fosse somente arrogante estaria tudo bem. O problema é justamente o que ele representa: uma sociedade imbecilizada pela mídia, cujo compromisso foi assumir o senso comum como uma verdade irrefutável, isto é, a de que “gay nasce gay”.

Meu desafio é muito simples: PROVE! Se é tão absurdo pensar o contrário, então me convença. O que te intimidou foi o fato de que eu não estou disposto a considerar o senso comum, ou (nesse caso) argumentações filosóficas, uma vez que esse assunto é biológico.

Se o Sr Goulart decidiu se utilizar de um argumento biológico, então nada menos é de se esperar que ele cite a fonte. Minha crença em Deus não é baseada em biologia, mas em conhecimento revelado. Se você julga esse conhecimento inferior, então admita. Vamos aos pressupostos.

Eu sou crente. E você? Criou sua própria religião para o conforto da sua consciência? (para que sua consciência se tornasse cada vez mais cauterizada pelo pecado)? Quem é o seu deus? O Deus verdadeiro, cujas exigências são sempre perfeitas? Ou seu deus seria seu ventre, cujo principal mandamento é “amar a si mesmo acima de todas as coisas”?

[continua abaixo]

Thiago Dancona disse...

[continuação do de cima]

Me parece que você não entendeu a minha argumentação. O que eu disse é que, se o Sr Goulart tem uma tese, que ele a comprove. Me parece que foi isso que te intimidou. O que me leva a crer que você prefere acreditar nisso a buscar a verdade, afinal, você mesmo disse que é gay.

Sendo assim, é natural que você PREFIRA a hipótese determinista, para, mediante ela, enfiar sua imoralidade goela abaixo da sociedade brasileira. A tese determinista te é bastante confortável, uma vez que, se vocês estiverem certos, a questão moral se tornaria irrelevante.

Mas é justamente por isso que eu enfrentei a baboseira do Sr Goulart: porque É uma questão moral, e vc não tem como provar o contrário. Será por isso que vc ficou irritado(a)? Foi por isso que vc questionou a legitimidade do meu relacionamento com Cristo? Foi por isso que vc tentou enfraquecer a minha fé? Terá sido por isso que você fugiu do meu desafio e se escondeu atrás de palavras polidas, que contrastaram com minhas grosserias, acreditando que isso evidenciaria o erro do meu pensamento?

Ora, Sr(a) Anônimo(a)... será possível que você realmente acredite que me desqualificar invalidaria meus argumentos? Você pode até me derrubar, amigo(a), mas as palavras continuam de pé. Esbofeteei-as, portanto! São nos argumentos que você deveria se concentrar, e não na minha pessoa.

[Até aqui tratei da questão pessoal... quanto à sua argumentação, no próximo comment...]

Thiago Dancona disse...

[continuação do de cima]

Sr(a) Anônimo(a), você escreveu:

“Essa mesma ciência ainda não acredita, por exemplo, na existência de DEUS, tal como os cristãos acreditam. O que você me diz disso?! Já que precisa tanto de um paradigma para crê em alguma coisa.”

Entendo que eu já respondi. Como eu escrevi, não se trata de crer. Eu disse pro sujeito que, se ele está tão disposto a ridicularizar a visão de mundo daqueles que não concordam com ele, se ele se dispôs a usar o argumento dele (gay nasce gay) para mudar as leis brasileiras, então que ele cite uma prova de sua teoria já tão absurdamente comprovada.

O problema é o seguinte: afirmar para os quatro cantos do mundo que está comprovado cientificamente é o que vocês tem feito, mas o meu posicionamento foi: então me mostre a prova.

Vc também escreveu:

“sou gay e acredito que amor de Deus por mim, é maior do que o interesse de algumas instituições religiosas...”

Este ponto ficou muito confuso... o que vc pretendeu? Dizer que o amor de Deus é maior do que o interesse dessas instituições? Concordo! Considerando que nossa tendência é enxergar o amor de Deus maior do que tudo. Mas pergunto: como poderíamos medir o amor de Deus em relação aos interesses dessas instituições?
E qual era sua intenção? Dizer que tais instituições são muito interesseiras? Porque se é isso, então comparar esse interesse com algo maior não atingiria seu objetivo. Você pretendeu dizer que o amor é grande de mais? Ou que o interesse é grande de mais? Eu não tenho certeza, uma vez que te faltou clareza.

Mas... suponho que você tenha intentado afirmar algo como: “o amor de Deus por mim é tão grande quanto o interesse oportunista dessas religiões”. Será que foi isso? Afinal, é uma comparação de grandezas e não da natureza de cada elemento comparado... Bem, talvez você possa me esclarecer, porque até agora fiquei só conjecturando. A sua explicação me traria mais luz sobre o seu pensamento...

Qto ao interesse de certas instituições religiosas vc afirmou:

“por exemplo, que usam o nome de Deus para comprar redes de televisão, e ao invés de pregar Sua palavra, produzem novelas e Reality Shows, com direito a um monte de baixaria, que vão de contra a tudo o que diz a Bíblia”

Bem, eles que se defendam. Aliás, como eu poderia servir-lhes de advogado? Eu estou na linha de ataque: sou tão crítico quanto vc nesse ponto. Viu só como nós até concordamos em alguma coisa?

Mas vc concluiu dizendo: “E eu não vejo evangélico nenhum dando "pití" por causa disso!”

Opa! Aí vc se engana. Os seus olhos tem maior percepção às críticas ao movimento homossexual, simplesmente pq vc é gay. E fazendo uma analogia às suas palavras: AQUILO QUE MEXE COMIGO, ME INCOMODA... Você está muito mais atento ao discurso evangélico quando ele pisa no seu calo, do que quando pisa no calo dos outros; isso é bastante óbvio.

Estas certas instituições que fazem tudo isso que vc destacou estão erradas, sim. E só a título de exemplo, a minha Igreja (pra minha alegria) já se manifestou oficial e publicamente, quanto a duas destas instituições, a saber, a Igreja Universal do Reino de Deus, e a Igreja Mundial do Poder de Deus, declarando que não as reconhecemos como evangélicas. Assim, isso reforça ainda mais o meu discurso de que tais religiões perderam o foco da pregação do Evangelho puro e simples.

Assim, você está errado. Não é porque você não vê “evangélico nenhum dando "pití" por causa disso” que isso implique em que evangélico nenhum dê "pití" por causa disso. Cuidado com as limitações da sua perspectiva.

[continua abaixo]

Thiago Dancona disse...

[continuação do de cima]

Mas, convenhamos, Sr(a) Anônimo(a). Vc faz parecer que se alguém está fazendo alguma coisa errada, então vc também pode... Será isso? Porque, se for isso, então vc está admitindo que o homossexualismo é pecado. Se não é isso, então pergunto: por que, afinal, vc levantou o pecado alheio? (aliás, duas vezes: o meu, e o dessas instituições) Só encontro uma explicação: para tentar justificar o seu. O que não seria eficiente, uma vez que o direito natural afirma que “um erro não justifica o outro”. Será que foi isso? Não foi? Então explique, porque a impressão que me deu até agora é que vc admitiu que homossexualidade é pecado.

Vamos em frente. Vc escreveu:

“E tem outro detalhe, AQUILO QUE NÃO MEXE COMIGO, NÃO ME INCOMODA. Em outras palavras: POR TRÁS DE ANTIPATIA VIOLENTA, SEMPRE EXISTE UMA AFINIDADE SECRETA. Olhe para dentro de si, faça um exame de consciência, perceba os seus sentimentos e acima de tudo respeite o seu próximo.”

Uma coisa de cada vez:

(1) Bem que você gostaria que minha “antipatia violenta” tivesse sido dirigida à homossexualidade do sujeito, mas, como eu já demonstrei, não foi assim. E não te será possível distorcer o sentido do meu texto, porque aquele meu comentário deixa mais do que evidente que o debate era sobre a natureza do argumento.

Exagerei em chama-lo de Energúmeno? SIM, considerando minha falta de polidez. Mas, NÃO, considerando que, baseado na fraqueza do argumento dele, ele se mostrou um energúmeno. Meu erro foi ser agressivo, foi dizer algo cruel e de uma forma cruel, mas o fato de ser violento não significa que seja mentira. Portanto, vou dizer de uma forma mais polida: aquele sujeito é completamente desprovido de capacidade argumentativa.

Como já afirmei, bem que você gostaria de caracterizar minha violência como homofóbica, mas te faltam evidências. E sabe por que? Porque não era. Mas isso é normal para vocês. Por exemplo, quando vocês apresentam as estatísticas do número de homossexuais mortos violentamente, vocês deturpam as estatísticas como se todo gay que morresse violentamente, fosse vítima de homofobia. Tenha dó, né... Se o gay é vítima de latrocínio, para vocês, é homofobia. Se uma lésbica é vítima de estupro, então é homofobia... pergunto: e a heterossexual que foi vítima de estupro, foi heterofobia? Tá entendendo? Pra vocês, tudo de ruim que acontece aos homossexuais só pode ser homofobia. Isso é conveniência.

Então, estou lá eu, discutindo a natureza do argumento, fico perplexo com a falta de norte do cidadão, xingo ele e aí, aparece você, dizendo que sou homofóbico. Seja coerente, Sr(a) Anônimo(a)!

(2) “POR TRÁS DE ANTIPATIA VIOLENTA, SEMPRE EXISTE UMA AFINIDADE SECRETA. O Senhor usa uma série de explicações e, um texto tão cheio de agressividade, que esse assunto parece mexer mesmo com o senhor.”

Ok. Já demonstrei que minha “antipatia violenta” não é homofobia. Aliás, se você me conhecesse, conhecesse meus amigos, e conhecesse meu discurso, vc ficaria envergonhado em sugerir que sou homofóbico. Mas, no que depender de mim, você não terá o prazer de me conhecer... vc não parece ser uma pessoa legal.

Mas, se por um momento, hipoteticamente, admitíssemos que minha “antipatia violenta” é contra os homossexuais, ou contra o homossexualismo, então, vc continuaria errado, porque eu lhe responderia o seguinte:

[continua abaixo]

Thiago Dancona disse...

[continuação do de cima]

Como cristão, tenho afinidade sim com o assunto “homossexualismo”, e com a luta pelos direitos da comunidade GLBT. A partir do momento em que vocês pretendem limitar minha liberdade em detrimento da de vcs... ah, amigo(a)... é óbvio que o meu discurso seria apaixonado. Mas, ainda que vc não cutucasse os meus direitos de cidadania, ainda assim, eu ficaria bastante irritado quando vc tentasse redefinir a minha moral.

Ora, minha moral é a bíblica, e não a que te convém. Seria mais útil e proveitoso se vc homofobizasse a Bíblia tb, e pedisse que a queimem em praça pública. Seria últil pra vocês, que tiraria as suas máscaras, e proveitoso pra mim, que teria mais um argumento contra o pecado de vocês. Isso me permitiria demonstrar como o homossexualismo é anti-cristão.

Quanto a tal afinidade ser secreta. Não. Ela não é secreta. Temos muita afinidade, sim. Nós estamos nos defendendo dos seus ataques. Isso gera afinidade entre nós: vcs declararam guerra. O que vc espera? Que fiquemos acuados?

Vcs querem adotar os nossos filhos (os filhos dos heterossexuais)... Ora, se é tão natural a homossexualidade, então por que vcs não fazem filhos para si? Digo: de modo natural, através de uma tão bela relação homossexual.

Sr(a) Anônimo(a)! Vcs querem ressignificar o casamento, cujo criador é Deus. Vcs querem por uma mordaça na boca da Igreja. Vocês querem influenciar nossos filhos a se tornarem homossexuais, adentrando as escolas e impondo sua moral relativista e conveniente.

Quem chamou para a briga foram vocês. Vcs querem criar um novo mundo, contrário àquele pelo qual os cristãos sempre trabalharam, contrário àquele ensinado pelo Senhor Jesus.

É claro que há afinidade entre nós, mas ela não é secreta. Agora, dizer que esse assunto mexe comigo, como se você fosse me constranger... ora, deixa de ser bobo(a), Sr(a) Anônimo(a)... vc tá de brincadeira, né...

Olha só a que ponto vc chegou: “Olhe para dentro de si, faça um exame de consciência, perceba os seus sentimentos...”

Uau! Como eu pude viver até hoje, sem você, Sr(a) Anônimo(a)? Como você é sábio(a)! Como seus conselhos são incríveis.

Agora, vc vai bancar o psicólogo pra cima de mim? Tenha dó, cara. Vc anda lendo muita auto-ajuda. E, agora, tá achando que já pode escrever mais uma. Pro seu governo, eu tenho muito auto-conhecimento, inclusive quanto aos meus sentimentos mais agressivos... e sei muito bem como me sinto em relação às ameaças de vocês.

Não banque o mocinho, fazendo parecer diante da opinião pública que vocês são vítimas. Lobos em pele de cordeiro é o que vocês são. Se nós, evangélicos, não estivéssemos atentos, vcs já teriam aprovado a PL122, e agora, estariam executando a caça às bruxas, pondo na cadeia todo pastor que escrevesse ou pregasse sobre a imoralidade da prática homossexual. Como eu já afirmei: vcs posam de vítima, mas no fundo querem é impor o seu estilo de vida sobre o resto da sociedade.

Ah. Já sei o que vc vai escrever: “Que bobagem! Gay nasce gay! Ninguém influencia ninguém!”

Tudo bem, então prove.

Sabe por que vc não consegue? Porque isso é questão comportamental, é comportamento aprendido. Em alguns casos, se aprende na adolescência, em outros casos, se aprende na infância, e em outros casos ainda, na primeira infância. Sua tese é biológica e precisa, portanto, de prova científica (laboratorial). Minha tese é psicológica, e depende de análise clínica. Eu tenho comprovação teórica, mas você não. Sabe por que? Porque não existe gene gay.

[continua abaixo]

Thiago Dancona disse...

[continuação do de cima (último post)]

(3) “... e acima de tudo respeite o seu próximo.”

Ok. Vc está certo. Preciso aprender a ser mais respeitoso.

Mas você erra no seguinte ponto. Vc pode até ser mais simpático do que eu, mais cordato e gentil. Mas uma coisa não tem nada a ver com a outra. Ser cordato não significa estar certo. E ser grosseiro não significa estar errado.

Posso até escrever pro Sr Goulart de modo mais gentil, mas o conteúdo é o mesmo. E até agora, continua sem resposta. Parece-me que vc pensou ter respondido, escrevendo “Essa mesma ciência ainda não acredita, por exemplo, na existência de DEUS, tal como os cristãos acreditam.”

Porém, a única coisa que vc conseguiu foi admitir que sua tese (gay nasce gay) é desprovida de comprovação séria, e que depende única e exclusivamente da fé. Parabéns, vc vai convencer muita gente com este argumento: “Ah, eu não tenho provas, mas eu acredito que seja assim...”. Muito bom! Parabéns!

Caminhemos para o final. Vc escreveu também:

“Afinal aquele ENERGÚMENO,@#¨&@#, ao qual o senhor se refere, também é filho de Deus.”

Essa é a sua opinião. Vc demonstra acreditar que, sendo Deus o Criador de todos, isso o faz Pai de todos. Não é esse o testemunho bíblico. As Escrituras ensinam que só existem dois tipos de pessoas no mundo: os crentes e os descrentes, os cristãos e os pagãos, os justos e os ímpios. Não tem meio termo, ninguém fica em cima do muro. Jesus, em João 8, demonstrou que filiação não está ligada à criação, mas à Aliança. Assim, diz ele que alguns dentre nós são filhos do diabo, uma vez que fazem a vontade do diabo.

Ora, sabendo que a Bíblia diz que todo ser humano é pecador, mas que aqueles que fazem a Aliança com Cristo (sendo pecadores) são justificados por ele, torna-se claro que filhos do diabo são aqueles que insistem em se manter distantes de Jesus e de seus ensinamentos. Por exemplo, pondo fogo na Bíblia, dizendo que ela é homofóbica. Essa é uma forte evidência de que alguém não é filho de Deus. Tem a ver com Aliança. (Leia João 1.12, e João 8).

Agora, se o Sr Goulart é filho de Deus ou não, isso não cabe a mim dizer, não o conheço, mas que ele demonstrou, através daquele texto, que não tem nenhum compromisso com o Deus da Bíblia, isso ele mesmo demonstrou.

Vc ainda lidou com o seguinte:

“Aquele a quem o senhor diz servir”

Como eu disse, se você acredita ou não que eu sirva a Cristo, isso não prova sua teoria do gene gay. Se eu sou deselegante e grosseiro, isso não faz da homossexualidade algo aceitável a Deus.

Vc escreveu:

“e que jamais se referiria de uma maneira tão pejorativa a um dos seus iguais”

Vc falava de Jesus. De fato, como eu disse, prossigo em transformação. Quem sabe, dentro de alguns meses ou alguns anos, eu esteja bem mais lapidado, não é...

Mas tem uma diferença entre eu e você... eu reconheço o meu pecado, luto contra ele, tenho melhorado e vou melhorar mais. Mas e vc? Vc rejeita a Cristo, não admite que Deus governe o seu sexo, e repudia a idéia de que o Senhor do Universo seja o Dono da sua vida. Deus só serve pra você, se for do seu jeito, porque na verdade o seu Deus é o seu próprio ventre.

E vc terminou assim:

“pois segundo a BÍBLIA, era Ele através do seu EXEMPLO, que mudava a vida de muita gente.”

Mudava? Mais uma vez estou confuso quanto ao que vc defende. Até que você negue isso, entendo que vc acredita que gay nasce gay, e que isso não se muda, que seria algo como a cor da pele, portanto, nada a ver com a moral.

Se vc pensa assim, então por que está falando do poder transformador de Cristo e do Evangelho?

Ah, entendo! Ele é capaz de mudar os outros, né... aqueles com quem vc não se dá bem... acho que vc estava falando que ele muda pessoas como eu, né... Cristo serve pro outro, mas não para você... é isso?

Tomara que no próximo, eu seja mais delicado. Assim vc deixaria de se esconder.

Anônimo disse...

É triste meu amigo vê que ainda há pessoas como você com a mente ainda retida em "verdades" que foram escritas por homnes e não por DEUS, não é contraditório que Jesus não faça discriminação e seus portavozes recreminam a prática homossexual. Você como outros já se perguntaram se alguém levanta um dia e diz para si mesmo vou ser gay para ser: humilhado, redicularizado, discriminado dentre outras situações desagradaveis. Você já fez esta pergunta? Então, se é normal ou não, não cabe a nenhum porta voz dos Céus dizer o que é errado ou certo, mas deveria sim ouvir sem recriminar, ajudar sem olhar e sem cobrar, pois isto é biblico.
Meu amigo, seja qual for a filosofia religiosa o principio deveria ser respeito, amor ao próximo, pois até hoje ninguem consegue fugir do sexo, seja com homem ou com mulher, e não venha me dizer que a religião cura, pois homossexualidade não é doença e nem opção.
um abraço reflita mais e mais antes de dar sua opinião em um meio de comunicação tão abrangente
correa-julio2004@ig.com.br

Thiago Dancona disse...

Sr. Anônimo,

baseado na sua assinatura (um endereço de e-mail), suponho que seu nome seja Julio Correa.

Mas como ter certeza? isso foi só uma dedução... vc preferiu não incluir o seu nome.

Proponho um acordo. Respondo o seu post se você me devolver o seguinte: só quero saber se vc é o mesmo anônimo do post anterior, ou se vc é um novo anônimo. Nem quero saber se vc é Julio ou não... só quero saber se vc é a mesma ou se é outra pessoa...

Entenda: vcs anônimos provocam muita confusão nos debates, pois nós nunca sabemos com quem estamos discutindo...

Lembre-se, isso tb é respeito: Eu me apresentei, mas vc não.

Não preciso saber o seu nome, mas eu só gostaria de saber se você e o outro são um só, ou se são dois.

Abraços refletidos! :)